Brasil perde a final pra Argentina e mostra fragilidade para a copa do mundo .

Compartilhe nossas notícias

Aos 21 minutos do primeiro tempo, O atacante Di Maria abriu o placar para a seleção argentina com um golaço de cobertura. A equipe de Tite voltou mais ofensiva no segundo tempo, e Richarlison chegou a marcar, mas o gol estava impedido e foi anulado.

Com a vitória na Copa América 2021, a Albiceleste quebrou um jejum de 28 anos. A última vez que a Argentina foi campeã do torneio continental foi em 1993, quando venceu o México. Já o Brasil ―que venceu a edição anterior com vitória sobre o Peru, em 2019― buscava conquistar sua décima taça.

O torneio sul-americano foi cercado de polêmica. O Brasil foi escolhido pela Conmebol como sede depois de a Argentina e a Colômbia declinaram de receber o campeonato devido à pandemia de covid-19. Mas a escolha do Brasil foi cercada de críticas, já que o país somava meio milhão de mortes pelo coronavírus na ocasião ―número que não parou de escalar desde então, passando de 532 mil vítimas até este sábado. Com exceção da final, todos os jogos foram a portas fechadas e sem público.

Os protocolos sanitários defendidos pela Conmebol e pelo Governo brasileiro, que não permitiram a entrada de público durante todo o torneio, foram atualizados para a final. A entidade permitiu a entrada de mais de 5.000 torcedores nas arquibancadas, sendo 2.200 brasileiros, 2.200 argentinos e outros convidados, desde que apresentassem um teste PCR negativo para o coronavírus. Poucas horas antes do início da partida, a Conmebol divulgou em suas redes que estava detectando “testes adulterados” utilizados pelos torcedores.

Na entrada do estádio, a organização permitiu aglomerações de torcedores e ambulantes, muitos sem máscaras, em longas filas que tinham como destino o mesmo portão, onde eram retiradas os ingressos. A liberação da entrada ainda causou mais confusão, com empurrões e torcedores forçando passagem. Ainda que promovendo multidões não recomendadas na pandemia, a presença de um público empolgado pela final trouxe um ambiente de ânimo, camisas das seleções e cantos de torcida nos entornos do Maracanã, algo que ainda não tinha acontecido na desacreditada Copa América.

São mais de 100 anos de uma rivalidade histórica entre Brasil e Argentina. A seleção Canarino e a rival sulamericana já se enfrentaram 106 vezes, com vantagem para a seleção brasileira, que somava até hoje 43 vitórias, 25 empates e 38 derrotas.


Compartilhe nossas notícias